Maior receio em tempos de pandemia é transmitir Covid-19 para familiares

Quando o trabalho presencial for retomado, a maioria dos servidores (57%) gostaria de voltar às atividades em turnos ou dias alternados. Apenas 4,8% espera que todos os profissionais voltem ao mesmo tempo. Em relação à saúde e segurança no local de trabalho, o protocolo que os servidores esperam que seja adotado deve contemplar, prioritariamente: desinfecção diária das áreas de trabalho e áreas comuns; distanciamento social; horário flexível; e verificação de temperatura. 

Esses são dados preliminares da pesquisa “Retorno seguro ao trabalho presencial”, realizado pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com Banco Mundial e Ministério da Economia (ME) entre agosto e setembro de 2020. Ao todo, 42.793 servidores públicos responderam voluntariamente ao questionário. 

"A pesquisa é um importante instrumento para tomada de decisão no setor público e auxiliará gestores no aperfeiçoamento dos planos de volta às atividades presenciais. Também serve de insumo para possíveis experimentos de trabalho remoto para além do contexto da pandemia”, enfatiza Diogo Costa, presidente da Enap. 

Contaminação, transporte e filhos

Entre as preocupações apontadas, a maior é a de contrair a Covid-19 no trabalho e infectar familiares (90%). Locais adequados para deixar as crianças (43%) e poucas opções de transporte para o trabalho (61%) também estão entre os receios destacados. 

“A pesquisa traz a experiência dos servidores em formatos de expediente adaptados aos tempos de pandemia, além de suas expectativas e preferências sobre o retorno ao trabalho presencial. Mostra quais são os medos, as preocupações e também aponta caminhos para uma retomada mais segura", explica Diana Coutinho, diretora de altos estudos da Enap. 

Utilização de máscaras é um item que deve ser obrigatório, na opinião de 42% dos entrevistados. Na opinião da maior parte dos funcionários públicos (66%), o retorno deve acontecer, no mínimo, a partir de janeiro de 2021. 

Sobre a possibilidade de continuação do trabalho remoto, quase metade (45%) dos servidores públicos federais gostaria de ter essa opção, mesmo após a pandemia.

Nesta semana, o Ministério da Economia publicou uma Instrução Normativa com orientações sobre retorno gradual e seguro ao trabalho presencial. Entre outras medidas, a IN prevê que a presença de servidores e empregados públicos em cada ambiente de trabalho, neste primeiro momento, não deverá ultrapassar 50% do limite de sua capacidade física. Além disso, deve ser mantido o distanciamento mínimo de um metro.

Dados gerais

O órgão que registrou o maior percentual de respostas em relação ao número de servidores foi o Ministério da Educação (34,9%), seguido pelo Ministério da Economia (19,9%). 

No quesito relacionado ao trabalho remoto em tempo integral, as instituições com maior percentual de servidores nessa modalidade entre os meses de abril e julho foram Controladoria-Geral da União (CGU), Ministério do Turismo (MTur), Advocacia-Geral da União (AGU) e ME.

 

Confira aqui os resultados preliminares da pesquisa

Conteúdo relacionado

Aplicativos de rastreamento são eficazes para conter avanço da Covid-19 e resguardam privacidade

Resultados fazem parte de levantamento realizado em cinco países. Em Singapura, app teve adesão de 45% da população e contribuiu para redução da circulação da doença

Publicado em:
16/11/2021
Descoordenação entre União e estados potencialmente agravou pandemia no Brasil

Conclusão é resultado de pesquisa inédita que estudou cenários de políticas públicas executadas em cinco estados brasileiros

Publicado em:
26/10/2021
Futuro no pós pandemia: o que falta para superarmos a crise de covid-19

Bruno Filardi (Instituto Câncer Brasil) explica a imunidade em camadas, vigilância genômica, tempo certo entre as doses e imunossenescência

Publicado em:
18/10/2021
Mapeamento inédito aponta abrangência dos contratos com setor privado nos serviços públicos no Brasil

Levantamento aponta principais modalidades de contratualização, setores e quantitativo por região desde 2011; Sudeste e Sul lideram número de contratos

Publicado em:
06/10/2021