Diane Garza participou da sexta edição do FronTend, evento que busca promover a discussão de temas atuais e relevantes para o governo, com a participação de renomados especialistas

Desenvolver habilidades é algo necessário para a manutenção de um futuro profissional promissor. Entre as várias competências, as soft skills, termo em inglês que relaciona as aptidões sociais, emocionais e mentais ligadas à personalidade de cada um, estão se apresentando cada vez mais necessárias para o exercício de uma liderança efetiva. Para Diane Garza, instrutora de lideranças da Universidade de Georgetown e CEO da iCatalyze (empresa de liderança e coaching), “o futuro do trabalho pede profissionais com habilidades comportamentais, tanto no setor público quanto no setor privado em geral”. Em sua participação na 6ª edição do Fronteiras e Tendências deste ano, no último dia 26 de maio, Diane conversou com Simone Maia, consultora da empresa de gerenciamento de líderes e equipes Lee Hecht Harrison, sobre como essas capacidades podem ser cada vez mais desenvolvidas.

De acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial sobre o futuro dos empregos publicado no ano passado, 50% de todos os funcionários do mundo precisarão de requalificação até 2025, conforme aumenta a adoção de tecnologia. Segundo a publicação, das 15 competências em alta até 2025, seis delas são soft skills. “Nós teremos que aperfeiçoar algumas de nossas habilidades para estar à altura do desafio, para ser relevante e produtivos nesta nova era. As soft skills estão se tornando cada vez mais importantes nas forças de trabalho”, afirma Diane.

Para que não houvesse dúvidas a respeito do termo, Diane Garza primeiro diferenciou o que seriam as hard skills e as soft skills. “Hard skills são aquelas que geralmente aprendemos nas salas de aula, com as experiências. São habilidades que podem ser medidas. Por exemplo, você pode identificar o quanto sabe sobre habilidades matemáticas, são habilidades técnicas e mensuráveis. As soft skills não necessariamente são aprendidas em uma sala de aula, muitas delas são inatas e  estão relacionadas com a personalidade, são subjetivas e difíceis de serem medidas. A sua comunicação, habilidade de trabalhar em equipe, solução de problemas e pensamento crítico, liderança, criatividade e inovação, são todas soft skills”, explicou.

A instrutora de liderança destacou o avanço da tecnologia como um dos fatores que podem exigir ainda mais o desenvolvimento das competências emocionais, “uma das grandes habilidades soft skills que temos é escolher como vamos reagir. As máquinas não podem escolher e isso é uma das grandes habilidades que temos. As habilidades humanas são cada vez mais importantes e são elas que nos diferenciam. Então quanto mais pudermos focar nestas soft skills e tomarmos posse delas, melhor”.

Outro ponto enfatizado foi a importância do desenvolvimento de inteligência emocional, tanto dos líderes quanto da equipe. “A inteligência emocional tem dois elementos importantes: primeiro, se entender e liderar a si próprio para depois liderar os outros. Segundo, a resiliência e a nossa habilidade de superar obstáculos e desafios. Ao invés de sermos controlados por nossas emoções, podemos controlá-las. Quanto mais desenvolvermos nossa mente e presença no momento, podemos estar cada vez mais no controle e isso nos ajuda a desenvolver resiliência”.

Durante sua participação no FronTend, a instrutora ressaltou a importância de discutir sobre liderança, discutiu a diferença entre habilidades e competências, ensinou formas de ajudar pessoas a desenvolverem confiança e salientou o papel de correr riscos e até fracassar como parte do processo de inovação. Por fim, destacou o que considera como a maior habilidade de liderança: saber delegar. “Ao conceder mais liberdade você também acaba empoderando mais seus funcionários. É importante deixar as pessoas fazerem as coisas,” explica a instrutora.

Confira abaixo os principais pontos da conversa entre Diane Garza e Simone Maia e assista à entrevista completa no canal do YouTube da Enap na versão original em inglês e na versão em português.

  • Diferença entre hard skills e as soft skills
  • Lista de prioridades com habilidades que serão necessárias para as força de trabalho até o ano de 2025, feita pelo Fórum Econômico Mundial
  • Como ajudar a mudar a cultura para que os atributos das soft skills sejam devidamente valorizados e melhorados dentro de uma organização
  • A importância de se criar segurança psicológica entre as relações de trabalho
  • A diferença entre humanos e máquinas
  • O desenvolvimento de inteligência emocional
  • O que os funcionários públicos podem fazer para desenvolver resiliência
  • A habilidade de liderança mais importante
  • Como as pessoas desenvolvem confiança
  • Como líderes podem incorporar as habilidades sociais que são importantes na vida cotidiana de trabalho

Palavras-chave:

Conteúdo relacionado

Debate discute futuro da geopolítica e a guerra na Ucrânia

A primeira edição do Fronteiras e Tendências contou com a participação do ex-ministro de Assuntos Europeus de Portugal, Bruno Maçães

Publicado em:
28/04/2022
Ex-ministro de Assuntos Europeus de Portugal falará sobre o desafio geopolítico do século XXI

Bruno Maçães participa de evento no dia 19 de abril. Faça sua inscrição

Publicado em:
03/04/2022
Governo e terceiro setor: como estabelecer parcerias para melhorar políticas públicas

No último Fronteiras e Tendências do ano, foi debatida a ideia do trabalho em equipe, onde cada setor e pessoa são importantes para o avanço do país

Publicado em:
13/12/2021
Aprendizados adquiridos no exercício da parentalidade podem ser usados no ambiente profissional?

Em nova edição do FronTend, foram abordadas as oportunidades de reflexão que nossos filhos nos trazem todos os dias

Publicado em:
28/10/2021