Especialistas discutiram o tema no espaço das Trilhas Temáticas, da Semana de Inovação 2020, e falaram sobre as dificuldades de acesso à cultura em cidades menores

 

Nas últimas décadas, o tema das “cidades criativas” entrou para a discussão de gestores públicos. A Semana de Inovação 2020 trouxe o debate para o espaço das Trilhas Temáticas e realizou o painel “Cidades Criativas: inovação e cultura ao alcance do cidadão", na tarde desta terça-feira, 17. Participaram do encontro o diretor da OEI no Brasil, Rafael Callou; o Secretário Nacional da Economia Criativa e Diversidade Cultural, Aldo Valentim; e o cofundador da BOP Consulting, Paul Owels.

“Sabemos que a cultura no Brasil ainda é para poucos. Apenas 20% da população brasileira já foi ao cinema”, afirmou Callou. “Temos buscado desenvolver ferramentas para fomentar a cultura no âmbito local e feito parcerias não somente com o governo federal, mas também municipais e estaduais.” 

Segundo ele, outras atividades ligadas à economia criativa, como a gastronomia, podem ser portas para fomentar a cultura e gerar renda para a população. “Mais de 2,5% do PIB brasileiro está vinculado aos eixos da economia criativa e o setor emprega mais de 1 milhão de pessoas em empregos diretos”, disse.

Valentim salientou que a maioria das cidades brasileiras, mais de 5 mil, são médias e pequenas cidades e que elas acabam não tendo tanto acesso à cultura. “Para que tenham condições de reter as classes criativas e desenvolver valor simbólico e econômico, elas precisam da presença do estado, assim como a presença de políticas públicas e a ação do estado para coordenar e proporcionar o movimento. Assim como as cidades têm um modelo industrial, por exemplo, é necessário que também haja o modelo criativo.” 

O secretário afirmou ainda que é preciso aprimorar a gestão do setor público. Para isso, é necessário envolver todos os governos municipais, estaduais e federais nos processos e aprimorar as boas práticas de governança, assim como receber os novos gestores que chegam nos municípios ano que vem. “A economia criativa deve ser uma pauta transversal, que tenha não somente o envolvimento da Secretaria de Cultura, mas também de outros ministérios como o Ministério da Cidadania, da Ciência e Tecnologia, entre outros. Precisamos pensar numa governança entre os diversos órgãos governamentais.”

Para o inglês Paul Owens, é preciso repensar o sistema que organiza o espaço urbano, principalmente após o acontecimento da Covid-19. É um desafio, de agora em diante, pensar eventos públicos, com uma grande quantidade de pessoas aglomeradas. “Para sermos sustentáveis precisaríamos de um grande volume de pessoas se movimentando, o que não é possível neste momento de pandemia. Então, precisamos reimaginar a cultura nas cidades. Temos que repensar se essas estruturas são adaptáveis,” afirmou. 

Paul mencionou um estudo feito pelo Instituto Mackenzie sobre o crescimento urbano, que conclui que a maior parte do crescimento urbanos será nas cidades de tamanho médio. “Temos que olhar as cidades menores. Seria importante para um futuro sustentável, do ponto de vista econômico, mas também do ponto de vista ambiental. Também acho que temos que reinventar a força de trabalho da economia criativa em cidades com força de trabalho grande e que as oportunidades não são igualmente distribuídas”, afirmou. 

Callou, diretor da OIE, lembrou que muitas políticas já desenvolvidas no Brasil obtiveram bons resultados e que devemos persistir em novos projetos. Entre as estratégias da OEI tem sido tentar trazer essas questões para a agenda pública. “Acho fundamental cada vez mais discutirmos painéis como esse de hoje. Quando mais esses assuntos forem pautados, mais forçamos a relevância deste tema. E o assunto vai se fortalecendo dentro da gestão pública e entrando na pauta da agenda prioritária dentro dos ministérios e governos estaduais e municipais”, finalizou.

Palavras-chave:

Conteúdo relacionado

De reflexão ponderada ao futuro liderado por mulheres: confira os melhores momentos do último dia da Semana de Inovação 2021

"Mulheres não tinham o direito nem de voar nos jatos de alta performance, quanto mais ser astronautas", relatou Anne Fisher, a primeira mãe a ir para o espaço, em um dos painéis do dia. 

Publicado em:
12/11/2021
Último dia da Semana de Inovação traz debate sobre o futuro da inovação com especialistas femininas

Regina Esteves, Robyn Scott, Anna Fisher, Joyce Trindade, Nísia Lima e Marcelle Paiva participam do painel ‘Futuros construídos e liderados por mulheres’

Publicado em:
11/11/2021
Debate entre prefeitos que desempenharam boa gestão no combate à Covid-19 é destaque no terceiro dia da Semana de Inovação 2021

Transferir renda para pessoas mais vulneráveis é salvar vidas", pontuou Fátima Pacheco, prefeita de Quissamã-RJ em painel ao lado de João Campos, Erick Brimen e Francineti Carvalho

Publicado em:
11/11/2021
Cidades inovadoras e educação global serão alguns dos temas abordados no terceiro dia da Semana de Inovação 2021

Na quinta-feira, (11), o tema principal do evento será a abordagem de exemplos de transformações em curso em diversas escalas, agendas e através de distintas estratégias

Publicado em:
10/11/2021