Ex-presidente do Banco Central apresentou quatro razões que embasam a esperança em dias melhores 

Seis meses após a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter decretado a Covid-19 como uma pandemia, alguns cenários começam a ser traçados para o pós-crise. No Fronteiras e Tendências (FronTend) do dia 9 de setembro, o economista, professor e ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco falou sobre as perspectivas econômicas para o Brasil e quais as reformas necessárias para o país crescer depois desse período. “Aprendemos várias lições e temos pelo menos quatro motivos para estar otimistas”, declarou Franco. 

Antes de esclarecer os motivos para a confiança na área econômica, o professor abriu a palestra explicando que a crise atual e a de 2008 são diferentes, e o principal motivo é a quantidade de instituições e pessoas afetadas. Em 2008, a recessão atingiu diretamente grandes bancos. Agora, cerca de 120 milhões de empresas, pessoas físicas e jurídicas foram afetadas no Brasil. “Aquela foi uma crise do atacado, e esta é do varejo”, esclareceu.

 

Conheça a seguir as quatro razões defendidas por Gustavo Franco para prever um cenário econômico favorável no pós-pandemia:

1ª) Janela de oportunidade para o Brasil adotar melhores práticas internacionais

Boas práticas internacionais nas áreas ambiental, social e de governança passaram a ser adotadas no país – algo que antes era visto como imposição externa. Outro avanço foi o emprego de padrões validados pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), para resolver possíveis problemas ou situações em setores como econômico, financeiro, comercial e social. Também se confirmou que o Investment Grade (nota atribuída por agências de classificação de risco e que indicam a capacidade que os países têm de honrar e pagar suas dívidas internas e externas) foi positivo para o Brasil. “É bom adotarmos melhores práticas internacionais. Vão nos elogiar lá fora e vai gerar dinheiro para o Brasil”, comemorou Gustavo Franco. 

2ª) Reafirmação da autonomia do indivíduo

Com o estabelecimento da pandemia, as pessoas tiveram que adquirir hábitos relacionados não apenas à saúde individual, mas também ao cuidado com a coletividade – como é o caso do uso das máscaras. “Esse indivíduo que é chamado a tanta responsabilidade não pode ser o mesmo indivíduo hipossuficiente em questões trabalhistas, de consumo. Não mais”, esclareceu o economista.

3ª) Juros nominais de 2% ao ano

“Nunca tivemos juros tão baixos no Brasil, não há precedentes. É novo e diferente, talvez como foi para muitos de nós viver sem inflação alta”, ressaltou. De acordo com o ex-presidente do Banco Central, isso afetará toda a lógica empresarial, de endividamento, empréstimo, acúmulo de caixa, organização de um negócio para ter cash flow positivo e negativo, poupança de recursos para a idade adulta, terceira idade... 

“Tudo muda com juros de 2% ao ano, em vez de juros de 20%! Para o bem e para o mal. Mas a maior parte acredito que será para o bem. Muitas vezes não conseguimos dizer se a exuberância do mercado financeiro tem a ver com os juros de 2% ou tem a ver com o excesso de liquidez criado pelas autoridades monetárias do Brasil e do exterior. É difícil saber, por isso vamos olhar para o que está acontecendo com o mercado financeiro não necessariamente como uma explosão especulativa, mas talvez – pelo menos no caso brasileiro – algo que reflita também nessa alteração tectônica na política monetária e que veio para ficar”, explicou Franco. 

Para ele, essa é uma transformação filosoficamente importante, porque os juros são a distância econômica entre o presente e o futuro. “Durante anos nos queixamos de juros altos e agora começou a era da ‘desintoxicação’. Vamos só deixar a pandemia acabar para aproveitar e tirar melhor proveito disso”, ressaltou.

4ª) Brasil não mergulhou na irresponsabilidade fiscal

“Estou surpreso com o fato de o Brasil não ter mergulhado, mais uma vez, na irresponsabilidade fiscal e na ilusão de que fabricando dinheiro e aumentado a despesa pública a gente vai resolver o problema econômico e tirar o país da crise, da pandemia, da pobreza. (...) Tomara que agora seja o início da nossa fase adulta como nação, pelo menos olhando as finanças públicas”, destacou o economista.

“Isso vem junto com juros baixos, que é muito bom e é uma consequência de termos finanças públicas relativamente arrumadas. Isso obviamente vai embora se as finanças públicas forem desarrumadas. Pode parecer um clichê, mas este é um importante momento de transição e as decisões de agora terão um impacto gigantesco no nosso futuro”, concluiu.

Conteúdo relacionado

Governo e terceiro setor: como estabelecer parcerias para melhorar políticas públicas

No último Fronteiras e Tendências do ano, foi debatida a ideia do trabalho em equipe, onde cada setor e pessoa são importantes para o avanço do país

Publicado em:
13/12/2021
Aplicativos de rastreamento são eficazes para conter avanço da Covid-19 e resguardam privacidade

Resultados fazem parte de levantamento realizado em cinco países. Em Singapura, app teve adesão de 45% da população e contribuiu para redução da circulação da doença

Publicado em:
16/11/2021
Aprendizados adquiridos no exercício da parentalidade podem ser usados no ambiente profissional?

Em nova edição do FronTend, foram abordadas as oportunidades de reflexão que nossos filhos nos trazem todos os dias

Publicado em:
28/10/2021
Desafios atuais na formulação de políticas monetárias

O economista norte-americano John Cochrane explica como desafios trazidos por novidades na economia estão se adequando ao mercado

Publicado em:
27/10/2021