Na Semana de Inovação 2020, evento das Trilhas Temáticas reuniu especialistas do Brasil e do exterior para discutir o futuro das escolas depois da pandemia da Covid-19

 

Se havia questionamentos de professores sobre os modelos de Educação à Distância (EaD) no passado, a pandemia da Covid provou que as aulas virtuais em vídeo são uma necessidade e devem ser amplamente usadas nas escolas daqui para frente. Com quase um ano de coronavírus no mundo, a conclusão é que estudantes e professores devem ter escolas repensadas e remodeladas depois que os problemas com coronavírus estiverem controlados. É certo que nada será como antes na Educação pós-pandemia. 

Na manhã de hoje, a Semana de Inovação 2020 reuniu um grupo de renomados especialistas no evento virtual “O futuro da educação na pós-pandemia”, no espaço das Trilhas Temáticas. O sentimento comum é que países do mundo todo adotarão de forma generalizada o formato híbrido de aulas (presencial e online). Para o Brasil, o desafio é grande por conta de grande número de municípios e da necessidade de investimento para equipar escolas e treinar professores para EaD. 

“Neste ano, ficou claro que, além do pouco preparo dos professores, as escolas públicas e, também, as privadas estão presas a um modelo antigo de ensino”, disse Maria Helena Castro, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE). “Houve as mudanças da internet, a economia 4.0, e as alterações no mercado de mercado, e a escola ficou igual. A pandemia veio para quebrar o modelo de nossas escolas.”  

A vontade de mudar é grande. Uma pesquisa da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) mostrou que 80% dos países do grupo defendem escolas renovadas e abertas às inovações de ensino. “As escolas estavam muito suscetíveis ao vírus. Mas se descobriu que o risco de infecção é igualmente alto na casa das pessoas. Por isso, as escolas se mantiveram em funcionamento presencial, mesmo com a nova onda da Covid na Europa”, afirmou Andreas Schleicher, diretor da OCDE.

Segundo Schleicher, os países que integram a OCDE estão atentos às inovações da área educacional em todo o mundo que possam ser replicadas. Na Ásia, contou ele, os alunos recebem um feedback dos professores sobre desempenho de aprendizado online – se aproximando do que ocorre na aula presencial. As avaliações de tarefas escolares e provas passam por sistemas de Inteligência Artificial, medindo o grau de aprendizagem dos estudantes. “A educação não vai permanecer a mesma de antes”, disse. 

Valorização de professores

No Brasil, a percepção do Ministério da Educação é que o entusiasmo com o ensino virtual deve ser analisado com cuidado. O que vai se configurando é um horizonte de complementariedade entre aulas presenciais e virtuais. “O futuro vai ser, sem dúvida, um mix dos dois formatos. No digital, o professor não capta a reação do aluno, não percebe se ele está de fato apreendendo. A aula presencial favorece a interação social, a inovação”, avalia Victor Godoy, Secretário-Executivo do Ministério da Educação. 

Godoy tem clareza dos desafios a serem enfrentados pelo ensino brasileiro pós-pandemia. Para ele, existe a questão central do acesso de alunos e professores aos dispositivos digitais (banda larga, computadores).  Para um modelo robusto de EaD, será necessário ter uma formação continuada de professores que foram formados e preparados para aulas presenciais. “A valorização do professor tem de ser o centro do novo foco de mudanças trazidas pela pandemia”, ressaltou Godoy, no debate das Trilhas Temáticas.  

Em vídeo exibido no debate, o ministro Milton Ribeiro (Educação) deixou muito clara a estratégia do governo para investir em formação dos professores nos meios digitais e para equipar as escolas públicas com recursos tecnológicos. “Na pandemia, a sociedade foi inserida na era digital de forma mais rápida do que se esperava”, afirmou o ministro, acrescentando que o governo aumentou o volume de recursos para o programa “Educação Conectada” e para tecnologia em escolas na Amazônia. 

Abandono escolar 

A paralisação de aulas presenciais na pandemia trouxe um problema adicional para os países do América Latina. Trata-se da evasão escolar que já era elevada e piorou após a Covid-19. Segundo Mariano Jabonero, secretário-geral da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), a preocupação é com os estudantes que estão perto de concluir o ensino médio e aqueles que acabaram de entrar na universidade. “A estimativa é que 20% dos jovens não retornarão às salas de aula”, afirmou.

“É uma perda de aprendizagem que vai afetar negativamente a vida dos estudantes e a economia dos países de região. Já se fala em perda de uma década, algo que só se viu na crise de 1929”, avaliou Jabonero. “O certo é que não devemos voltar à inércia de antes n Educação. Teremos uma escola mais transformadora”, acrescentou.

Palavras-chave:

Conteúdo relacionado

Enap divulga resultado de concurso cultural de bolsas de estudo para Dinamarca e kits exclusivos

Os vencedores participaram de gamificação durante a Semana de Inovação e serão contatados individualmente pela produção do evento

Publicado em:
MonPM-03E_November-0300RNovPM-03_1C5_PM11_1E48rd_NovPM1rd-0300R2020
Feira reversa trouxe cinco problemas públicos em busca de soluções

O objetivo é conectar desafios públicos em tecnologia a potenciais soluções; conheça 

Publicado em:
MonPM-03E_November-0300RNovPM-03_1C5_PM11_1E48rd_NovPM1rd-0300R2020
Especialistas debatem os papéis do estado e da iniciativa privada na educação básica

Painel contou com a participação de especialistas com visões e reflexos sobre a  educação nos próximos anos

Publicado em:
WedPM-03E_November-0300RNovPM-03_1C5_PM11_3E47th_NovPM3th-0300R2020
Prêmio reconhecerá políticas públicas baseadas em evidências

Serão homenageadas até três iniciativas brasileiras. Lançamento foi realizado durante Semana de Inovação e inscrições começam dia 30 de novembro

Publicado em:
WedPM-03E_November-0300RNovPM-03_1C5_PM11_3E47th_NovPM3th-0300R2020