A Escola Nacional de Administração Pública (Enap) iniciou, nesta semana, um curso de capacitação feito sob medida para servidores e lideranças que atuam na seleção de projetos de infraestrutura para o País. A proposta é capacitar profissionais do Ministério da Economia e de outros órgãos do Governo Federal para melhorar a alocação de recursos em projetos de infraestrutura.

A capacitação terá como base o Guia Geral de Análise Socioeconômica de Custo-Benefício de Projetos de Investimento em Infraestrutura lançado, em março, pelo Ministério da Economia. A ideia é padronizar as seleções de projetos de infraestrutura a serem realizados pelo governo com o uso de metodologia que une custo-benefício e análise socioeconômica.

“Para montar o curso buscamos iniciativas de vários países na área e nosso objetivo é capacitar também servidores do Tribunal de Contas da União, do BNDES e da Caixa”, informa o diretor de Desenvolvimento Profissional da Enap, Paulo Marques, responsável pela organização do curso "Avaliação Socioeconômica e Custo-Benefício de Projetos de Investimento em Infraestrutura”.

A primeira turma, formada exclusivamente por servidores indicados pela Secretaria de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia, tem 30 alunos e teve início nesta semana com aulas a distância. Nessa primeira etapa, os alunos terão acesso a aulas sobre macroeconomia, microeconomia e matemática financeira.

Numa segunda etapa, que inclui aulas online, os alunos terão acesso a conceitos básicos de avaliação socioeconômica, estimação de custos e benefícios econômicos, indicadores de viabilidade, análise de risco, distributiva, entre outros. Essa etapa será iniciada com uma aula inaugural no próximo dia 12 de maio, também em ambiente virtual, que contará com a participação do presidente da Enap, Diogo Costa; do Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, Thiago Meirelles e do secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura, Gustavo Ene.

No total, o curso terá uma carga horária de 100 horas, distribuídas entre atividades síncronas e assíncronas.