Bruno Filardi (Instituto Câncer Brasil) explica a imunidade em camadas, vigilância genômica, tempo certo entre as doses e imunossenescência

Após mais de um ano e meio após o início da pandemia que trouxe desafios na vida das pessoas, modificou relações e até criou barreiras, ainda são muitas as dúvidas que surgem a respeito do que esperar do cenário futuro. Para Bruno Filardi, médico e diretor científico do Instituto do Câncer Brasil, a pandemia trouxe aprendizados dos erros e acertos no mundo todo e alertas para situações futuras.

“O conhecimento de que uma pandemia estava para acontecer não é algo novo. A vigilância é algo importante e que seria ideal se todos os países ou até um consórcio internacional conseguisse fazer”, defende. E explica a necessidade de se fazer uma vigilância genômica de qualquer agente potencial causador de pandemia. 

Filardi participou do primeiro Frontend de outubro e conversou com Juliana Venceslau, coordenadora de planejamento estratégico do Pnud. Foram debatidos assuntos como os desafios atuais e futuros da vacinação, medidas não farmacológicas e as novas ambiguidades no enfrentamento à pandemia. 

Imunidade em camadas

Para nortear a conversa, Bruno defendeu a importância de pautar políticas públicas em ciência e iniciou o assunto explicando conceitos de ciência básica, como por exemplo, o que é o vírus e o que é a imunidade. “Não é uma variável categórica, ou você está 100% imune ou você não está nada imune. Pelo contrário, a imunidade está em camadas, está em um contínuo e de diversas maneiras diferentes”, afirmou.

Ao apresentar as características do coronavírus, o SARS-CoV-2, Filardi demonstrou como ocorre a falha da resposta imune a ele. “A nossa resposta imune se dá em fragmentos. O problema das novas variantes é que, apesar de o vírus ser bastante estável, consegue gerar uma infecção com carga viral muito maior e você não tem um escape imune significativo. Você tem uma quantidade grande de outras regiões da proteína que o nosso sistema imune ainda vai continuar reconhecendo,” explicou.

A importância do tempo certo para a 2ª dose

Outro ponto sensível é a necessidade e a importância de respeitar o tempo entre as doses das vacinas. “Quando você tem a segunda dose muito próxima da primeira, há uma tendência a ter uma menor resposta imune”, explica. “Uma vez que o antígeno do vírus é apresentado na superfície celular, tem um processo de maturação que acontece nos linfonodos. Então as células de defesa dos nossos linfonodos vão apresentando antígenos e selecionando clones do sistema imune que conseguem reconhecer com maior afinidade aquele antígeno em um processo de maturação que leva alguns meses. Se você tomar a segunda dose muito precoce haverá uma menor resposta imunológica”. 

No caso da vacina Astrazeneca, de acordo com uma pesquisa divulgada pelo sistema público de saúde da Inglaterra usada por Bruno, o intervalo ideal entre as doses é de 12 semanas. “Isso ajuda na criação de um número maior de anticorpos neutralizantes. A mesma coisa com a vacina da Jansen, quanto maior o tempo, maior a quantidade de anticorpos”, afirma o médico. “O Brasil acertou muito bem nisso, a gente não fez a segunda dose com menos de dois ou três meses e isso garante uma com certeza uma imunidade melhor”, completa.

Segundo o médico, o ideal é tomar a segunda dose quando os anticorpos começam a cair, mas a queda de anticorpos não tem relação com queda da imunidade.“Depois de alguns meses haverá a perda de anticorpo. Mas assim que esse vírus chegar [ao organismo], será possível produzir imediatamente uma grande quantidade de anticorpo. O nosso corpo trabalha em economia e não fica gastando energia à toa”.

Em relação à convocação de idosos para a terceira dose da vacina. Bruno explica que isso faz parte da prevenção por conta do fenômeno chamado imunossenescência – o envelhecimento imunológico associado ao progressivo declínio da função imunológica e consequente aumento da suscetibilidade a infecções, doenças autoimunes e câncer, além de redução da resposta vacinal. “O problema do idoso não é só a imunossenescência em si, mas há também um risco de morte muito alto. No Então, no meu ponto de vista, será necessário acrescentar para a população idosa esquemas de vacinação pelo menos nos próximos anos. Além da necessidade de serem estudadas e desenvolvidas vacinas mais potentes”, afirmou o médico. 

Vacinação de todos com 1ª dose x vacinação de grupos com 2ª dose 

A necessidade de uma distribuição equitativa do imunizante é alertada pelo especialista como uma forma de evitar o surgimento de novas variantes do vírus da covid-19, relembrando países que não receberam doses suficientes para uma primeira dose. 

“Seria melhor vacinar todo o planeta com uma dose de vacina do que você ter grupos com duas doses de vacina, porque uma dose do imunizante já dá uma boa camada de proteção. É melhor uma proteção parcial do que nenhuma proteção, inclusive para novas variantes. É importante tomar cuidado com conceitos falsos. Não adianta toda a Europa ser vacinada e a África subsaariana não estar, ali pode surgir uma nova variante e colocar em risco todo o equilíbrio global,” conclui Bruno.

De volta à vida normal?

Ao ser questionado sobre o que devemos esperar para o próximo ano e quais são as expectativas para que tudo volte ao normal. Bruno disse que esta é uma afirmação complicada de se fazer e que modificações, como por exemplo o uso de máscaras em aeroportos, hospitais e locais com grandes aglomerações, podem continuar. “Quando a pessoa toma uma vacina não recebe 100% de proteção, não fica completamente imune a uma doença. Ainda pode haver a infecção, porém mais branda,” relembra o especialista.

Assista ao bate-papo completo no canal da Enap no Youtube. 

 

Palavras-chave:

Conteúdo relacionado

Aplicativos de rastreamento são eficazes para conter avanço da Covid-19 e resguardam privacidade

Resultados fazem parte de levantamento realizado em cinco países. Em Singapura, app teve adesão de 45% da população e contribuiu para redução da circulação da doença

Publicado em:
16/11/2021
Aprendizados adquiridos no exercício da parentalidade podem ser usados no ambiente profissional?

Em nova edição do FronTend, foram abordadas as oportunidades de reflexão que nossos filhos nos trazem todos os dias

Publicado em:
28/10/2021
Desafios atuais na formulação de políticas monetárias

O economista norte-americano John Cochrane explica como desafios trazidos por novidades na economia estão se adequando ao mercado

Publicado em:
27/10/2021
Descoordenação entre União e estados potencialmente agravou pandemia no Brasil

Conclusão é resultado de pesquisa inédita que estudou cenários de políticas públicas executadas em cinco estados brasileiros

Publicado em:
26/10/2021